,

Microsoft elege o Rio de Janeiro para novo datacenter no Brasil

A Microsoft anunciou nesta terça, 20/10, a disponibilidade de um novo datacenter no Brasil. Instalado no Rio de Janeiro, ele inaugura uma nova região do Azure, o serviço de computação em nuvem da empresa, além da existente em São Paulo desde 2014.

Segundo a presidente da Microsoft Brasil, Tânia Cosentino, a nova estrutura atende o crescimento da demanda por serviços de nuvem e endereça preocupações com a localização dos dados em território nacional. Segundo apontou, o mercado de computação em nuvem vai dobrar neste ano, tanto no mundo em geral como no Brasil especificamente.

“Com a transformação digital ficou necessário que a gente entregasse resiliência, latência. A gente precisa estar localizado perto dos nossos clientes. Então se faz necessário investimento contínuo nos nossos datacenters e nossas estruturas. Temos novos requerimentos dos clientes, além de regulamentações e preocupações com a residência de dados, não apenas para área de governo como para a área financeira. Assim, a réplica de dados precisa permanecer dentro do país, isso fez necessária criação de nova região e nova zona de disponibilidade”, explicou a executiva durante apresentação online.

Segundo a Microsoft, a nova região Azure, 65º no mundo, chamada Brazil Southeast, oferece aos clientes a opção de recuperação de desastres. Segundo o cronograma anunciado, o nuvem Azure está disponível a partir desta terça, enquanto o Microsoft 365 será disponibilizado até o final de 2020. Os planos incluem também a oferta de Dynamics 365 e Power Platform na primeira metade de 2021. A MS indicou já ter 25 mil usuários do Azure no Brasil. A empresa também prometeu lançar novas Zonas de Disponibilidade Azure em 2021 na região já existente, Brazil South, sediada em São Paulo.

Canadian Digital Transformation Virtual Trade Mission to Brazil

rodada de negócios
Temos a honra de convidá-lo a participar de uma webinar de tecnologia e transformação digital, a – Canadian Digital Transformation Virtual Trade Mission to Brazil – com a presença de 26 empresas canadenses.

O evento acontecerá durante uma semana (19 a 23 de outubro), com reuniões virtuais pré-agendadas.

Veja o convite e inscreva-se

,

Nokia vai migrar toda a infraestrutura de TI para o Google Cloud

Nokia e o Google assinaram acordo de colaboração estratégica de cinco anos para a migração da infraestrutura de TI da fornecedora para a plataforma Google Cloud. Segundo a companhia finlandesa nesta quarta-feira, 14, os data centers e servidores, assim como várias aplicações de software, serão migrados para a infraestrutura da parceira no mundo inteiro.

Dessa forma, a infraestrutura e aplicações da Nokia rodarão no modelo de Software-as-a-Service (SaaS) de agora em diante. A implantação e a migração já foram iniciadas e deverão durar entre 18 a 24 meses.

Para a Nokia, isso reflete uma “importante mudança operacional para a estratégia de TI baseada em cloud e nos esforços agressivos para fortalecer e transformar as operações digitais globalmente para expandir as capacidades de colaboração e inovação para funcionários, além de melhorar a entrega para clientes”. A expectativa é que o acordo traga “eficiências operacionais significativas e cortes de custos” com o tempo, reduzindo ativos imobiliários, consumo de energia e necessidade de capacidade de compra de hardware.

Os termos do acordo não foram divulgados, mas a Nokia deverá utilizar a suíte de produtos do Google Cloud. As duas empresas trabalharam juntas nos últimos meses para desenhar uma abordagem personalizada para a migração que permitirá que a transposição seja rápida e suave, minimizando impactos nos negócios. O Google implantará integradores de sistemas estratégicos, especialistas em soluções e engenheiros para garantir a estabilidade.

“Estamos empolgados por ajudar a Nokia a atualizar sua infraestrutura de TI com nossa rede de backbone e nossa abordagem de segurança de dados, utilizando rede definida por software“, declara o presidente do Google Cloud, Rob Enslin, em comunicado.

Fonte: Teletime

Usuários na transição para Tecnologia 5G

coloquios-cientificos-abtelecom-5g

Covid-19 impacta receitas das satelitais, mas há oportunidades de crescimento

O mercado de satélites sofreu impacto com a covid-19, mas também passa por grandes transformações em tecnologias e modelos de negócio, conforme dados da Euroconsult. Os efeitos nas receitas provocaram um aumento na pressão das margens, o que levou a uma mudança no ecossistema, com fusões, aquisições e desafios de estabilidade financeira para as empresas. Mas há oportunidades a serem desbravadas.

Durante a pandemia houve uma maior demanda por conectividade, com dados para streaming e cloud com a aceleração do processo de digitalização. Por outro lado, houve redução no ritmo de projetos, especialmente com processos administrativos.

O pior impacto foi para os segmentos de comunicação marítimas e em voos. “Não traz oportunidades de conectividade, mas o impacto em instalações e número de aeronaves ativas vai ter um efeito de médio a longo prazo”, destacou o CEO da Euroconsult, Pacôme Revillon, durante o Congresso Latinoamericano de Satélites 2020, nesta quinta, 1º. O evento é organizado pela Glasberg Comunicações e promovido pelo TELETIME.

Baque na receita

Houve redução de 4,5% nas expectativas de receitas para 2020, ficando abaixo de US$ 11 bilhões. E esse efeito terá efeito de longa duração, com previsão de volta a crescimento apenas em 2022, chegando a ficar em torno de US$ 19 bilhões em 2028, o que representa US$ 500 milhões a menos do que a consultoria previa inicialmente.

Satelite-covid-1024x577

As receitas dos quatro maiores operadores satelitais de serviços fixos (FSS) no primeiro semestre de 2020 caíram 6,7%, em especial com a queda de 7,6% nos serviços de mídia (DTH, vídeo) e de 6,6% em dados, enquanto os serviços para governo chegaram a apresentar alta de 0,5%. Por sua vez, considerando apenas as empresas Hughes e Viasat (excluindo desta as receitas de governo), houve aumento de 2,1% nas receitas. A Iridium, ainda mais: 3,1% de alta.

Mercado

A pressão nessas receitas leva a mudanças no ecossistema. “Várias companhias estão em diferentes estágios de Chapter 11 [recuperação judicial] e estão se organizando”, afirma Revillon. Outras passam por processo de fusão, com direção a verticalização, como a aquisição da Bigblu Broadband pela Eutelsat na Europa e na venda da Gogo para a Intelsat. “São exemplos, mas podem ser os primeiros movimentos que levam a mais nessa linha.”

Oportunidades

“A covid-19 vai atrasar o crescimento que esperávamos, é um tempo de incerteza. Mas esperamos que a indústria poderá ter novo ciclo de crescimento com novos serviços e capacidades, e é uma conquista muito grande chegar próximo a US$ 20 bilhões em 2028”, explica Pacôme Revillon.

Na visão do CEO da Euroconsult, há tendências que mostram um cenário de oportunidades. Entre elas, Revillon cita:

  • HTS 3.0, com capacidade totalmente flexível, e inclusive “integração vertical com ISPs”;
  • Acesso, mobilidade, enterprise e defesa;
  • Mesmo em erosão, o vídeo ainda será um mercado de US$ 4 bilhões até 2029.

Fonte: Teletime

,

Carta comemorativa pelo centenário da UFRJ

O Conselho Universitário da Universidade Federal do Rio de Janeiro, reunido em sessão ordinária no dia 27 de agosto de 2020, reafirma, na ocasião do centenário da instituição, dia 7 de setembro de 2020, os compromissos da UFRJ com a defesa do conhecimento, da vida e com os princípios republicanos e democráticos.

Laia a carta completa clicando abaixo:

Colóquios Científicos Favela e Big Data

Colóquios Científicos Favela e Big Data

SinditeleBrasil agora se chama Conexis Brasil Digital

Sindicato das Operadoras ganhou uma nova identidade, logotipo e terá presidência de Rodrigo Abreu, CEO da Oi.

Nova marca do Sinditelebrasil

Em evento realizado nesta terça-feira, 29 de setembro, o SinditeleBrasil anunciou que agora se chama Conexis Brasil Digital. Na ocasião, um vídeo de apresentação foi transmitido e o anúncio foi colocado no ar, junto com o logotipo visto na imagem acima. Marcos Ferrari, presidente executivo, destaca que a mudança surgiu da necessidade de ter uma marca mais alinhada com os valores de sustentabilidade, promoção de economia digital e conexão das pessoas.

A partir de agora, a Conexis Brasil Digital é a representante oficial do setor de telecomunicações. Em depoimento, Ferrari destaca que o propósito de digitalizar o Brasil e conectar todos os brasileiros está ainda mais forte. A nova marca explora as cores da bandeira brasileira.

Além dessa referência, o azul é utilizado para trazer os aspectos da tecnologia. Já o verde e amarelo, respectivamente, representam sustentabilidade e conexão.

Fonte: Minha Operadora